Quarta, 26 Junho 2019 07:27

Comércio eletrônico prospera no Brasil e sites de venda seguros fazem empresas se destacar

Escrito por

O comércio eletrônico brasileiro prosperou no ano passado em função do aumento de 10,6% no número de compradores digitais entre 2017 e 2018. Segundo relatório apresentado na 4ª Edição do Nuvem Commerce, realizado pela Nuvem Shop, o número de pessoas que compram pela Internet saltou de 66 para 73 milhões entre os dois anos e a expectativa é que volume chegue a 87 milhões até 2020.

A pesquisa aponta ainda que até 2015 os usuários de Internet representavam 54.5% da população e hoje essa estimativa subiu para 58.3%. Em seu Relatório de Impacto Econômico no Brasil, o Google reforçou esse cenário positivo ao registrar que as ferramentas de busca e publicidade da empresa ajudaram a movimentar R$ 41 bilhões em atividade econômica no Brasil, sendo que mais de 60 mil empresas se beneficiaram desses serviços somente em 2018.

O bom desempenho das vendas online reflete, consequentemente, no setor empresarial. O empresário José Bonifácio, dono de uma empresa que fabrica embalagens plásticas, é um dos que souberam utilizar a Internet a seu favor. Em 2016, ele viu o faturamento do seu negócio cair cerca de 60% e neste período conturbado teve que enxugar gastos e chegou a demitir 40 dos 120 colaboradores que empregava.

Segundo Bonifácio, a crise financeira vivida no País quase causou o fechamento da empresa que tem mais de 20 anos de existência, mas depois de cogitar essa possibilidade percebeu que poderia expandir seus negócios para um ambiente até então inexplorado por ele: a Internet.

Foi com as vendas online que ele conseguiu reerguer seu negócio com um faturamento ainda maior do que era em 2016. Em 2018, a empresa faturou R$ 3,4 milhões, bem acima do que registrava antes da crise, e hoje tem cerca de 160 colaboradores.

Custo Baixo
O caso do empresário do ramo de embalagens não é o único, e nem se restringe a grandes empresas. No início de 2018, o fotógrafo Ricardo Sanches viu seu faturamento triplicar em pouco mais de um ano.

“Eu gastei algo que equivale a menos de R$ 20 reais por mês com registro e hospedagem de site e vi meu faturamento aumentar gradativamente conforme meu site ia ficando melhor posicionado nos buscadores”, explicou o profissional.

A estratégia utilizada pelo fotógrafo é cada vez mais usada por empreendedores de diversas partes do Brasil para angariar mais clientes. “Por exigir um investimento muito baixo e atingir facilmente um público muito grande, a internet acaba sendo a saída de muitos profissionais liberais e donos de empresas”, destacou a gerente de marketing do portal hospedagemdesit.es, Larissa Ferreira.

Segundo ela, é muito fácil e barato colocar um site no ar, sendo possível gastar algo em torno de R$ 15 reais por mês para sua manutenção. “É mais barato que manter uma linha telefônica”, ressaltou a gerente do portal que conecta empreendedores, empresários ou qualquer pessoa que deseja ter um site e que reúne várias informações sobre hospedagem, além de dar dicas de como criar seu espaço na Internet gastando muito pouco.

Desafios

Além de reunir muitos materiais, o site também faz a parte considerada mais difícil, que é encontrar serviços de hospedagem de qualidade. “A complexidade é bem grande”, avalia Roberto Oliveira, que é o responsável por testar os serviços de hospedagem disponíveis no mercado.

O analista de sistema é encarregado de toda a parte técnica e “burocrática” do portal. Segundo ele, as empresas de hospedagem nem sempre atendem os requisitos necessários para se hospedar um site com qualidade, o que resulta em sites fora do ar ou muito lentos.

“Uma hospedagem ruim pode deixar a página fora do ar e o usuário ficará frustrado por não conseguir acessar, por isso esse tipo de cuidado também garante uma melhor classificação no Google”, completou Larissa, que também é especialista em SEO (otimização para buscadores). Segundo ela, o Google e outros gigantes de buscas na Internet não fazem uma boa avaliação de sites lentos ou que ficam caindo com frequência.

Por esse motivo, a gerente de Marketing afirma que a escolha de uma melhor hospedagem de site é o passo mais importante na criação de um site. Ela garante que é possível ficar bem classificado no Google usando um domínio não muito bom, mas é quase impossível ficar bem classificado se você utiliza um serviço de hospedagem ruim que deixa os usuários frustrados.

 

Fonte: Exame S/A

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.